Autor

Categorias

Últimas Linhas

Arquivo

Novembro 2010
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Twitter

PORTUGUESES MERECEM E PORTUGAL PRECISA

Faltam poucas horas para sabermos quem vai organizar o Mundial de 2018 e 2022.

Espero que seja Portugal e Espanha. A nossa candidatura é favorita. A Península Ibérica tem todas as condições para organizar um evento mundial.

Candidatura positiva que serve também para reforçar a aproximação dos dois países e culturas.

Não sendo uma prioridade, deve ser sempre encarada como uma oportunidade, aliás confirmada pelo estudo feito pelo insuspeito ISEG que prevê 100 milhões de receitas turísticas, 700 milhões na valorização da imagem de Portugal e 200 milhões em cobrança de impostos, criação de emprego e valorização do mercado publicitário, resumindo os benefícios superam em muito os pequenos investimentos.

Uma candidatura inteligente e discreta, mas muito racional e pouco emocional.

O envolvimento de José Sócrates e José Luís Zapatero é bem demonstrativo do empenho dos dois governos na candidatura, marcando presença em Zurique mostrando em termos institucionais a vontade em receber o evento.

Também Gilberto Madail e Ángel Villar, que são os rostos da candidatura, estão empenhados e bastante determinados em alcançar a excelência na organização do Mundial, alicerçados na experiência do Euro 2004 e no sucesso desportivo da selecção espanhola.

Excelente entrevista no jornal A Bola e na Marca deram os dois presidentes, mostrando argumentos quase imbatíveis, sem truques, com transparência e com ambição mas não a qualquer preço.

É verdade que somos um país pequeno territorialmente falando, mas grande em alma, muito grande, mesmo capaz de superação individual e colectiva, como ainda agora vimos na Cimeira da Nato.

Independentemente da decisão da FIFA, Portugal já ganhou, apresentou-se unida e motivada num projecto que ultrapassa os nossos limites geográficos.

E esta é uma questão essencial… Merecemos…

Pontapé-de-Saída, A Bola, 30/11/2010


Adicionar comentário 30 de Novembro de 2010

OS MELHORES…

Em dia de Barcelona - Real Madrid vou abordar desde já o clássico de Alvalade. Um jogo intenso que levou mais de 35 mil pessoas ao estádio. Longe da lotação esgotada mas com uma adesão superior à média. Dispensáveis eram as maçãs. Estamos a comemorar o Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social, logo o brincar com géneros alimentícios era desnecessário. Aqueles que se divertem com estas maldades deviam ajudar o Banco Alimentar Contra a Fome superiormente liderado pela Dra. Isabel Jonet.

O jogo propriamente dito foi dominado pelo Sporting, que a jogar assim podia ter mais pontos. O F. C. Porto soube resistir aos ímpetos do Sporting, mostrando que é hoje a equipa que melhor joga futebol em Portugal. Desnecessários são também os excessos de André Villas Boas que não aguenta ver a sua equipa perder. Fica nervoso e não há necessidade. O FC Porto está merecidamente, na frente do campeonato.

Em Espanha, vamos ver hoje quem fica na frente do campeonato. Em Barcelona, Cristiano Ronaldo e Leonel Messi são os protagonistas do espectáculo que todos querem ver. Nos bancos teremos outro duelo de luxo. De um lado José Mourinho e do outro Josep Guardiola. Estou a torcer pelo sucesso do Real Madrid, equipa que voltou a dar alegrias aos seus apoiantes e voltou igualmente a incomodar os poderosos interesses instalados na UEFA. Durante anos assistimos aos treinadores a forçarem a mostragem de cartões amarelos, procurando limpar para jogos mais importantes. Foi e será sempre assim. O atraso na reposição da bola em jogo é um expediente usado por todos, mas foi ao Real Madrid e a José Mourinho que a UEFA decidiu abrir um inquérito.

Infeliz, uma vez mais a UEFA, a roçar a perseguição ao português que é, de forma clara e inequívoca, o melhor treinador do mundo. Perdoa-lhes, José Mourinho.

Pontapé-de-Saída, A Bola, 29/11/2010


Adicionar comentário 29 de Novembro de 2010

PARA O AFONSO CANDAL

Conheço bem o Afonso Candal.
Durante alguns anos partilhei com ele vários assuntos políticos regionais e nacionais.
Pertencendo a partidos diferentes sempre nos entendemos nas questões essenciais.
É verdade que não estivemos sempre de acordo, mas tenho autoridade para dizer que o Afonso Candal é um político que o país precisa.
Com sentido de humor (herdado do Sr. seu pai) e com enorme acutilância política o Afonso manifesta sempre grandes preocupações sociais.
Hoje fui surpreendido com a notícia do abandono da vida parlamentar por razões pessoais.
Temos que respeitar.
Quero publicamente desejar as maiores felicidades para o futuro, seja onde for, e dizer-lhe que a nossa geração tem grandes desafios pela frente e que não podemos nem devemos desperdiçar o seu saber, inteligência e dedicação.
Aceita um abraço amigo de quem não é do teu partido, mas que te reconhece inegáveis capacidades para estares na vida pública.
Um abraço e felicidades.


1 comentário 24 de Novembro de 2010

EU APOSTO…

O futebol tem conseguido como poucos sectores transformar as dificuldades em oportunidades. Resiste ao impacto negativo dos mercados e procura encontrar soluções para ultrapassar os problemas.

A gestão dos clubes de futebol tem que ser feita com muita inteligência e responsabilidade.

Os dirigentes têm que saber resistir à pressão das bancadas. Têm que ser frios e absolutamente realistas.

Cumprir com as obrigações fiscais e da Segurança Social é o primeiro passo para se aumentar a credibilidade e o nível de exigência. Controlar as despesas, evitar os excessos e os despesismos e procurar gerar novas receitas.

O mercado audiovisual, a internet, os telemóveis são instrumentos a ter em conta.

Não devemos abrandar a luta pela regulamentação das apostas desportivas em Portugal. Bem sei que é um tema pouco consensual, mas fico feliz pela evolução manifestada pelo executivo, mais concretamente pelo secretário de Estado da Juventude e Desportos. Feliz também fico pela alteração de pensamento de algumas personalidades importantes no nosso futebol que há pouco mais de um ano achavam o assunto com pouca importância.

A Liga portuguesa tem liderado, e bem, este dossiê procurando alertar o governo para as injustiças que o “monopólio” vigente provoca. Ninguém ganha, a não ser, os operadores. Não ganha o Governo, nem a Liga nem os clubes.

Quando todos se esforçam no aumento da receita fiscal, não consigo perceber a inércia legislativa sobre a matéria em apreço bem como as resistências da tutela da Santa Casa da Misericórdia e dos casinos.

Com a regulamentação todos ficam a ganhar, sem regras continuam só alguns a ganhar e fora do país, pois é onde estão sedeadas as empresas operadoras.

Eu aposto que caso exista legislação de enquadramento estas empresas passam a operar em Portugal e pagam cá as suas obrigações fiscais e contratuais.

Pontapé-de-Saída, A Bola, 23/11/2010


Adicionar comentário 23 de Novembro de 2010

AMIGOS, AMIGOS…

A cimeira da NATO marcou a agenda dos últimos dias relegando as questões desportivas para um plano secundário.

Ninguém fica indiferente à presença de Barack Obama, Sarkozy, Angela Merkel, Berlusconi, Durão Barroso entre muitas outras personalidades. Lisboa ficou com um ar mais cosmopolita.

A NATO escolheu Lisboa e percebemos que Barack Obama continua a ser o americano mais adorado no continente europeu.

Como em outras cimeiras de âmbito europeu ou mundial existem sempre conversas paralelas onde o futebol é abordado.

Discutem-se as selecções, fazem-se comentários sobre o desempenho desportivo dos clubes nas competições europeias organizadas pela UEFA e também se converse sobre a realização de eventos desportivos com grande relevância económica e importância estratégica.

Inevitavelmente o Portugal-Espanha foi motivo de muita conversa.

Portugal banalizou os Campeões do Mundo.

A Espanha não foi capaz de dar luta a uma selecção portuguesa que contou com um Cristiano Ronaldo inspirado. Com Paulo Bento voltou a alegria à equipa das quinas. Portugal joga um futebol agradável e tem os jogadores super motivados.

É verdade que o jogo era amigável, mas já diz o ditado “amigos, amigos, negócios à parte”. Obviamente que ninguém gosta de perder e mais importante foi a exibição categórica de Portugal que vulgarizou a Espanha.

No jogo faltou apenas uma coisa… o público.

Para compensar a ausência do público espero que tenha funcionado em pleno a diplomacia para promover a candidatura ibérica ao Mundial 2018/2022 na qual acredito.

Vi o jogo com quatro espanhóis. Estavam conformados e espantados com a qualidade do futebol praticado. Estavam surpreendidos com Hélder Postiga e vibraram com Ricardo Carvalho, Pepe e Cristiano Ronaldo. Perguntaram: onde esteve este Portugal que não vimos no último Mundial?

Pontapé-de-saída, A Bola, 16/11/2010


Adicionar comentário 22 de Novembro de 2010

REFLECTIR O FUTURO ….

Participei na Sessão de Abertura do I Congresso Nacional de Animação Sociocultural em Aveiro.
Perto de 600 pessoas a reflectir sobre o tema.
Muito interessante.
Debater o estatuto e carreira, o Código de ética bem como a formação em Animação Sociocultural é motivo mais que suficiente para o sucesso deste Congresso.
Parabéns aos organizadores.


1 comentário 18 de Novembro de 2010

SÓ TEMOS A GANHAR

Amanhã joga-se no Estádio da Luz mais um Portugal-Espanha. Um jogo especial e com algumas coincidências. Os dois países da península Ibérica atravessam uma crise económica e financeira sem precedentes.

Lado a lado Portugal e Espanha, governados pelos socialistas Sócrates e Zapatero, vão tentando acalmar os mercados. A Espanha com uma taxa de desemprego superior a 20% e a economia estagnada pode causar enormes problemas na zona euro.

Para além da crise económica estamos juntos, fortes e coesos na candidatura à organização do Mundial de Futebol de 2018 e 2022.

Não podemos ter uma proximidade geográfica e um distanciamento estratégico, logo temos a ganhar com esta aproximação a Espanha. Ganhamos desportivamente e ganha também o turismo. Aquele velho ditado “que de Espanha nem vem bom vento nem bom casamento” deve ser relegado para um plano secundário.

Hoje José Mourinho, Cristiano Ronaldo, Simão Sabrosa, Ricardo Carvalho, entre outros são referências sem qualquer problema no competitivo futebol espanhol.

Problemas esses sim surgiram pela inclusão de portagens nas SCUT da zona norte que estão a afastar os espanhóis da Galiza que tanto gostam de visitar o Porto e Norte de Portugal. Espero que sejam rapidamente ultrapassados.

No Mundial de 2010 jogámos com a Espanha os oitavos de final… e perdemos.

Os campeões do mundo vão encontrar uma selecção portuguesa renovada, com um novo treinador, com mais alegria, mais tranquilidade e menos pressão. Por outro lado Paulo Bento vai encontrar Vicente Del Bosque e uma selecção de Espanha muito estável.

Estabilidade é o que desejamos também à nossa Federação/Selecção extensiva naturalmente ao relacionamento entre Portugal e Espanha aumentando as nossas exportações.

Só temos a ganhar. Aproveitemos bem esta oportunidade!

Pontapé-de-saída, A Bola, 16/11/2010


2 comentários 16 de Novembro de 2010

ENORME POTENCIAL

Não temos razões para o deslumbramento, mas também não devemos entrar na onda dos profissionais do pessimismo e dos profetas da desgraça.

As nossas empresas e o desporto têm dado a Portugal e aos portugueses esperança num futuro melhor.

As empresas e os empresários aumentam a vocação exportadora e vão animando a depauperada e desacreditada economia. Sendo o mercado europeu limitado necessitamos de ser ousados e ambiciosos procurando soluções alternativas. O mercado da saudade é um bom exemplo, logo a aposta em África pode ser interessante.

A recente visita a Angola do Benfica pode ter sido o abrir de portas a outros clubes portugueses e a outras modalidades como por exemplo o basquetebol. Desportivamente falando estamos a assumir um protagonismo considerável, veja-se o duelo de portugueses no final da Taça em Angola onde o ASA de José Dinis bateu o campeão Interclube de Álvaro Magalhães. José Eduardo dos Santos entregou nas mãos de José Dinis a Taça.

Outro destaque merece este jornal que cedo percebeu a importância do mercado angolano e da paixão que o futebol português provoca em Angola apostando aí editorialmente.

Quem é também merecedor de um entusiástico aplauso é André Lico. Conquistou pela segunda vez consecutiva o título mundial em duplo-minitrampolim. O hino nacional voltou a tocar bem como a provocar emoção, a mesma que o Armindo Araújo e o Miguel Ramalho aos comandos do Mitsubishi Lancer sentiram ao repetirem o título mundial na produção.

É extraordinariamente difícil um português ter sucesso no desporto motorizado. Armindo Araújo tem provado precisamente o contrário mostrando que é um dos melhores entre os melhores.

Lá está o desporto e também as nossas empresas a mostrarem que Portugal não está condenado, pelo contrário tem um enorme potencial que necessita ser valorizado.

Pontapé-de-saída, A Bola, 15/11/2010


1 comentário 15 de Novembro de 2010

CANDEIA QUE VAI À FRENTE…

Já passaram dez jornadas da principal competição de futebol, a Liga Zon Sagres.

Segue em primeiro lugar e de forma destacada o F. C. Porto, superiormente orientado pelo jovem André Villas-Boas. Um F. C. porto forte no plano nacional e internacional. Consistente e mentalmente muito bem preparado está já com 10 pontos de avanço sobre o segundo classificado.

Com 902113 adeptos presentes nos estádios até ao momento a nossa Liga precisa de mais casas cheias. Cheias como o Estádio do Dragão no passado domingo.

Obviamente que se dispensam as bolas de golfe, as galinhas, e outros excessos verbais e policiais, mas globalmente foi um bom espectáculo ao vivo e na televisão.

O F. C. Porto é uma equipa alegre, muito sólida e com vontade de vencer.

André Villas-Boas joga sempre para ganhar e conseguiu em pouco tempo rentabilizar as potencialidades dos seus activos, colocando novamente o F.C. Porto na montra europeia.

Foi impressionante o ritmo imposto pelos Dragões perante um Benfica apático, triste e sem garra. Muito se fala das mudanças tácticas que o Benfica fez, mas apesar das fragilidades no flanco esquerdo que abriram caminho ao triunfo portista, atrevo-me a dizer que mesmo sem as alterações feitas o F.C. Porto ganhava o encontro, pois demonstrou estar muito mais forte que o Benfica.

Uma palavra também para Vítor Pereira pela certa e feliz nomeação de Pedro Proença.

Demonstrou estar em grande forma, mantendo um enorme equilíbrio emocional e demonstrando uma vez mais que é hoje um dos melhores árbitros da Europa.

Pedro Proença realizou uma arbitragem quase perfeita, quase tão perfeita como foi a exibição do F. C. Porto.

É verdade que ainda falta muito campeonato, mas como diz o ditado popular: “candeia que vai à frente alumia duas vezes”.

Pontapé-de-saída, A Bola, 09/11/2010


1 comentário 09 de Novembro de 2010

UM NÍVEL MAIS ALTO

Numa altura de aperto financeiro e de angústia nacional provocadas pelas dificuldades que resultam da proposta para Orçamento de Estado 2011, é sempre muito positivo percebermos que continuam alguns portugueses a destacarem-se no plano internacional.

O mais recente é António Horta Osório que foi convidado para Presidente do Lloyds Banking. Um banco com 30 milhões de clientes que escolhe um português para a sua liderança e em quem depositam todas as esperanças na revitalização recuperando o tempo perdido.

Ao lado de António Horta Osório esteve também o futebol português, mais concretamente os clubes que participam nas competições organizadas pela UEFA. Braga, Benfica, Porto e Sporting demonstraram bem o potencial do futebol que se pratica em Portugal. Quatro jogos, três vitórias. O Sporting com muitas novidades foi surpreendido mas não chega para comprometer a passagem à fase seguinte.

Na Europa do futebol, Portugal continua a marcar pontos, aumentando a notoriedade e projectando o seu potencial.

Desportivamente falando tivemos uma semana boa.

Enquanto decorriam os preparativos para o Porto - Benfica o Primeiro-Ministro José Sócrates assinava um acordo de cooperação com o Presidente da China, Hu Jintao. Destaco a presença do desporto neste acordo entre Portugal e a China. Esta visita de dois dias a Portugal, com predominância económica mas também atenta à política internacional vai certamente ter impacto no futuro.

Cavaco Silva, José Sócrates e Hu Jintao comprometeram-se a aumentar o relacionamento entre os dois países “a um nível mais alto”. Esperemos que o desporto também passe a ganhar com o aprofundamento desta relação entre a China e Portugal.

Decorreram com toda a normalidade estes encontros entre Portugal e China, a mesma normalidade que espero tenha existido no Porto-Benfica.

Pontapé-de-saída, A Bola, 08/11/2010


1 comentário 08 de Novembro de 2010

Artigos Anteriores